Internet no Brasil

Vou inaugurar meus posts aqui no blog. Começarei falando de um assunto que me irrita muito.

A internet no Brasil.

Quem usa a internet no Brasil sabe que você paga muito por pouco.

Segundo pesquisas do ano passado, o Brasil é o 40º país em questão de qualidade de internet banda larga no mundo, numa lista que tinha 42 países. Ficamos na frente da Índia e da China se não me engano.

Enquanto países como Finlândia e Estados Unidos criam leis que dizem que banda larga é direito dos cidadão, o Brasil fica jogando pra lá e pra cá uma proposta que iria reativar a Telebras e implatar um plano de internet banda larga com baixo custo pra todos os cidadãos.

Não cabe a mim julgar o certo ou errado, mas eu acho que não seria necessária a reativação de uma estatal que foi privatizada na década de 90, só para fornecer esse tipo de serviço a baixo custo, o governo só deveria induzir a competição empresas de telecomunicações, pois com mais concorrencia os preços iam cair e quem sabe a qualidade do serviço aumentar.

Mas enquanto isso não acontece temos que viver com uma internet cara, além de engolir pesquisa atrás de pesquisa, todas elas inéditas e exclusivas, falando que nossa internet é um lixo.

Para Idec, banda larga no Brasil é cara e lenta

BRASÍLIA - O brasileiro paga caro pela internet e não recebe as informações corretas sobre o serviço que é oferecido. Essa é a conclusão de uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), que comparou o preço e a qualidade da banda larga em seis capitais brasileiras. "A internet no Brasil é cara, lenta e restrita", ressaltou Estela Guerrini, advogada do Idec, responsável pela pesquisa. Na visão do instituto, a concorrência "quase inexistente" é a principal vilã para os preços da banda larga no mercado brasileiro.

Para ter internet rápida em casa, o brasileiro paga em média US$ 28 por mês, valor que chega a 4,58% da renda per capita no País, segundo o Idec. Nos EUA, o valor é de apenas 0,5% da renda per capita dos americanos e, na França, é de 1,02%. Além disso, apesar de pagar caro, o consumidor brasileiro não recebe um bom serviço. Segundo levantamento recente realizado pela empresa americana Akamai, a velocidade de tráfego da internet brasileira é uma das mais lentas do mundo.

A pesquisa mostra que a velocidade média é de pouco mais de um megabit por segundo (Mbps), 93% menor que a velocidade média da Coreia do Sul, líder do ranking. Além disso, 20% das conexões no País têm velocidade inferior a 256 quilobits por segundo (Kbps), o que passa ao largo da velocidade mínima estabelecida pela União Internacional de Telecomunicações (UIT), entre 1,5 e 2 Mbps.

O Idec aponta ainda diversas deficiências de qualidade na prestação do serviço aos clientes. A principal queixa do órgão de defesa do consumidor é em relação à variação da velocidade, pois a maioria das empresas só se compromete a entregar um porcentual mínimo de conexão. Segundo o Idec, o site e o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) da Ajato, por exemplo, nada falam sobre o problema. E o contrato prevê que a operadora não se responsabiliza pelas diferenças de velocidade em decorrência de fatores externos.
Notícia completa no site do Estadão

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

2 comentários:

Valdek Oliveira disse...

É cara, lenta e vai piorar. A Velox, maior empresa do ramo na América Latina vai limitar o acesso a seus novos e antigos usuários independente do Plano. Isso já está certo e assinado.

Ian Augusto disse...

O jeito é esperar para ver. Eu tenho assinado Oi, mas se pudesse mudaria para GVT, mesmo com os últimos erros nas linhas. Oi é muito cara.

Postar um comentário